Sugestão

por Paulo Madjarof Filho

Sugestão – vem do latim suggestio, palavra formada da preposição sub, que significa sob, e do substantivo gestio que quer dizer levar, levantar, surgir.

Sugestão (senso comum) – é vista em dois sentidos: um que valoriza o respeito e a liberdade de escolha do interlocutor, e outro que denota a idéia invasiva de fazer penetrar no espírito do outro uma determinada idéia.

Sugestão Hipnótica – vontade, sentimento ou idéia, provocada em quem se acha em estado de hipnose.

(provocação – desafio, ocasionar ou produzir, tornar fácil, promover ou facilitar, incitar ou estimular).

Sugestão Pós-hipnótica - podemos entender a sugestão pós-hipnótica especificamente como uma resposta mais ou menos conhecida ou esperada de um indivíduo que tenha se submetido ao processo de hipnose (auto ou hetero), onde sugestões tenham sido feitas.

É na sugestão pós-hipnótica que reside todos os temores e preocupações que envolvem questões de ordem moral e ética no uso da hipnose, sendo que alguns autores divergem sobre o acatamento de uma sugestão que fira ou transgrida os valores de natureza moral.

Sobre a Sugestão (por alguns autores):

Janet - a sugestão é a influência de um homem sobre o outro, que se exerce sem a intermediação do controle voluntário.

Binet - a sugestão é uma pressão moral que uma pessoa exerce sobre outra.

Jung - a sugestão é sempre um meio enganador, já que não respeita a liberdade do indivíduo.

Bernhein - a sugestão é como uma operação com a ajuda da qual uma representação mental é introduzida no cérebro, que a aceita.

Pavlov afirmou que a inibição é o próprio fundamento do fenômeno da sugestão.

Coué - via na sugestão uma ação da imaginação sobre o ser físico e moral do homem. Destaca a importância do consciente no processo da auto-sugestão, afirmando que para que uma auto-sugestão possa agir sobre o inconsciente, deve ser formulada e emitida pelo consciente. Enfatizou que não é a sugestão do hipnotizador que promove mudança, senão o que é aceito pela mente do paciente (Coué, 1957).

Freud - antes da I Guerra Mundial, definia a sugestão como a influência exercida sobre um sujeito por meio dos fenômenos de transferência. Alguns anos mais tarde, escreveu: “A sugestão, isto é, as condições em que se sofre uma influencia, na ausência de toda razão lógica...”.

Baudouin - “A sugestão é a realização subconsciente de uma idéia... A sugestão é inteligente e ativa. Ela vence onde a vontade e a razão fracassam... A sugestão é o aproveitamento, por nós mesmos ou por outrem, do poder ideo-reflexo que existe em cada um de nós”.

Kretschmer - a sugestão penetra diretamente no espírito com o estímulo, sem ter recorrido a argumento lógicos 

 Lozanov - “A sugestão é uma forma de reação mental na qual se cria, principalmente de maneira inconsciente, uma “atitude” especial que visa ao desenvolvimento das reservas funcionais do psiquismo humano. A sugestão pressupõe que tenham sido superadas as barreiras anti-sugestivas no decorrer de um processo de dessugestão-sugestão. Neste processo estabelece-se uma relação, que desempenha papel decisivo, entre os meios da sugestão e a reatividade mental não específica”.